Brat Pack parte 2: o primeiro filme (será?) e o quarteto de S. E. Hinton

Toque de Recolher é um filme de 1981 que contava com um elenco de jovens feras promissoras. Eram eles: Timothy Hutton, Tom Cruise e Sean Penn. Pois é, realmente, não existe integrante do núcleo mais, digamos, representativo do Brat Pack aqui, mas o jornalista David Blum encara esse longa como "o primeiro filme dos Brat Pack".
(Há controvérsias, como veremos mais tarde nesse texto!)

Chegou agora e não entendeu nada? Então, antes de continuar, confira o post Brat Pack parte 1: Quem são eles para ficar por dentro!
Pronto? Leu tudinho? Então bora!

Em  Toque de Recolher , da esquerda para a direita: Cruise, Hutton e Penn

Em Toque de Recolher, da esquerda para a direita: Cruise, Hutton e Penn

É interessante que Blum aponte Toque de Recolher como o primeiro filme do Brat Pack porque ele tem mesmo muito em comum com a maioria do que veio depois. Leva o amadurecimento do adolescente a sério - esse, aliás, é o tema central. O roteiro: uma escola militar de 141 anos está em vias de fechar e os cadetes, se vendo sem o seu comando adulto e maior referência, a fecha e a ocupa à força, exigindo que ela siga existindo. Valores como honra e dignidade, com o blablablá militar, são levantados. Não é o meu tipo de filme - odeio filme de guerra e qualquer coisa bélica em geral - mas sabe que me convenceu? Os atores fazem papéis complexos, profundos, com diálogos às vezes tocantes. Hutton, que ganhou um Oscar por um filme anterior (durante o início das gravações de Toque de Recolher), concorreu ao Globo de Ouro de Melhor Ator por esse desempenho.
Ou seja: não é o filme mais moderno do mundo. Tem um começo bem modorrento. Mas também não é uma bomba.

Moreland (Hutton), Shawn (Cruise) e Dwyer (Penn) em ação

Moreland (Hutton), Shawn (Cruise) e Dwyer (Penn) em ação

Curiosidades: na preparação, esses 3 atores foram para uma escola militar de verdade e ficaram 45 dias por lá, como estudantes. Quer dizer, mais ou menos: Cruise preferiu um hotelzinho mais confortável ali por perto…
Esse foi o primeiro longa com Sean Penn no elenco, e o segundo de Cruise!

Os músculos do garoto Tom Cruise em cena de  Toque de Recolher

Os músculos do garoto Tom Cruise em cena de Toque de Recolher

Agora vamos voltar um pouco no tempo. Mais especificamente em 1967. Esse foi o ano de lançamento do livro The Outsiders, escrito por S. E. Hinton. Ela tinha 19 anos na época do lançamento, o que já é um fato espantoso, mas comenta-se que ela escreveu o texto quando tinha 15, inspirada no fato de um amigo ter apanhado no caminho do cinema para casa.

the-outsiders.jpg

Virou um clássico, adotado como um dos livros estudados em escolas americanas, best seller até hoje - meio na onda do O Apanhador no Campo de Centeio, sabe? O fato da escritora usar só suas iniciais aconteceu porque os editores ficaram com medo do pessoal descobrir que ela era uma garota de 19 anos e não acreditar que ela poderia escrever a obra.
Apesar desse ser o primeiro livro de S. E. Hinton, esse não foi o primeiro a virar filme. O escolhido foi Tex, de 1979, quarto livro dela. Estrelando: Matt Dillon, sob direção de Tim Hunter, que hoje trabalha bastante com TV. No elenco também estava Emilio Estevez, um dos símbolos do Brat Pack.

A própria S. E. Hinton com Matt Dillon caracterizado como Tex, o personagem principal do filme  Tex: Um Retrato da Juventude  (1982)

A própria S. E. Hinton com Matt Dillon caracterizado como Tex, o personagem principal do filme Tex: Um Retrato da Juventude (1982)

Hora de me desculpar: tentei de todas as maneiras assistir Tex: Um Retrato da Juventude, mesmo porque fiquei muito curioso com as coisas que li sobre ele. Não consegui: aparentemente você precisa morar nos EUA para conseguir assistir em streaming mesmo que queira pagar por isso, e não fui feliz ao tentar baixá-lo (não consegui, simplesmente). Também não tenho um nível de hacker bom o bastante para conseguir a Apple TV lá de fora - kkkkkk A boa notícia é que o filme é da Disney, então provavelmente deve estar no Disney+ quando o serviço chegar ao Brasil.

E o fato dele ser da Disney já é estranho, certo? Quem conhece o trabalho do estúdio naquela época já espera algo bem água com açúcar. Mas parece que não foi bem isso que aconteceu. Vamos contar a história desde o começo: Dillon está no elenco de Over the Edge (1979), longa que trazia roteiro de Hunter. O rapaz era fã dos livros de S. E. Hinton e pediu para que Hunter adaptasse algum deles para o cinema. Foi algo do tipo "homem certo com a oportunidade certa no timing certo": a Disney queria tentar algo diferente, e o vice-presidente da companhia na época, Tom Wilhite, estava disposto a dar espaço para jovens inexperientes. Porque Hunter não queria apenas escrever o roteiro - desejava dirigi-lo.

Quando Hinton recebeu uma ligação dizendo que a Disney estava interessada em adaptar um de seus livros para o cinema, ela desconfiou. Seu medo era justamente que o estúdio transformasse a história em algo bobinho. Wilhite precisou convencê-la ao vivo. Ela cedeu, mas quis que seu cavalo, Toyota, fosse o cavalo de Tex no filme!

tex.jpg

Emilio Estevez e Matt Dillon

E Toyota, o cavalo de Hinton, no set de Tex: Um Retrato da Juventude

Mas por que incluí Hinton aqui? Bem, ela viria a ser um símbolo do Brat Pack. Mais 3 livros seus foram adaptados para longas com integrantes do Brat Pack no elenco: Vidas Sem Rumo (1983), O Selvagem da Motocicleta (1983) e A Força da Inocência (1985). Os dois primeiros também contam com Dillon no elenco - ele se transformou numa referência do cinema para Hinton. E Hinton ficaria para sempre conectada com o começo da história do Brat Pack, por mais que suas histórias divergissem bastante do que o filme clássico de Brat Pack virou, e por mais que John Hughes, o diretor Brat Pack por excelência, nunca tenha adaptado uma de suas histórias para a telona. Hinton sempre localiza suas tramas no subúrbio de Tulsa, Oklahoma; elas envolvem jovem marginalizados, geralmente delinquentes. Possui esse olhar mais humano sobre o mundo teen, mas ao mesmo tempo não se trata de uma classe média em contexto mais urbano - que é o que Hughes faz.

Esse episódio do podcast Song by Song que eu incluo abaixo sobre Vidas Sem Rumo é bem esclarecedor - ou não. Primeiro: o Song by Song é sobre Tom Waits, olha que esquisito, que não tem nada a ver com o Brat Pack. Risos. É por causa de uma ponta que Waits faz em Vidas Sem Rumo que o epê foi feito: ele é Buck, o cara que fica na porta de um bar, tipo jagunço. Aparece por menos de cinco minutos!
Mas não é isso que eu acho esclarecedor desse podcast: o convidado Kevin Smokler fala que os filmes do Brat Pack são importantes porque pela primeira vez o adolescente é visto no cinema sob a ótica do próprio adolescente, e que por isso Vidas Sem Rumo, que muita gente encara como o primeiro filme Brat Pack por causa do elenco (no lugar de Toque de Recolher!), no fundo não seria um filme Brat Pack.

Só que essa lógica é meio esquisita, por causa do fator S. E. Hinton. Ela escreveu o livro justamente quando era adolescente. Quer mais ótica teen que isso?
Entendo o que ele quer dizer: Vidas Sem Rumo tem um tom épico que Coppola inclui, uma cinematografia bela mas pesada, adulta, especialmente na cena clássica do por-do-sol com poema de Ponyboy (C. Thomas Howell) e Johnny (Ralph Macchio) e na cena final, com a imagem de Johnny falando o texto da carta que Ponyboy lê. Lembra filme dos anos 1940, sabe? Uma coisa grandiosa. O livro que Ponyboy gosta e vira uma de suas conexões com Johnny é … E o Vento Levou, para você ter ideia da coisa!
Agora, eu acho que Vidas Sem Rumo é um filme de Brat Pack sim, diferente em vários aspectos, mas que possui muitos pontos que o aproximam do resto dessa filmografia que varia de pessoa para pessoa. Tem Emilio Estevez e Rob Lowe, por exemplo. Fala da realidade adolescente - quase não aparecem personagens adultos. É sobre as dificuldades desse trânsito entre a fase infantil e adulta. O núcleo familiar principal, formado por Ponyboy, Sodapop (Lowe) e Darrel (Patrick Swayze), é justamente um trio de irmãos órfãos, com Darrel assumindo as responsabilidades de pai por ser o irmão mais velho.

Darrel, Ponyboy e Sodapop: família

Darrel, Ponyboy e Sodapop: família

Outra coisa que achei interessante desse episódio de podcast é que Smokler, agora sem nem falar exatamente de Brat Pack, conecta Vidas Sem Rumo a uma tendência interessante dos anos 1980: filmes centrados em adolescentes e nostálgicos sobre as décadas de 1950 e 1960. É real: depois viriam De Volta Para o Futuro (1985), Peggy Sue: Seu Passado a Sua Espera (1986) e tantos outros.

Mas vamos falar de Vidas Sem Rumo em si? A começar pelo elenco, que acho impressionante pela quantidade de futuras estrelas por metro quadrado:

Da esq. para a dir.: Two-Bit (Emilio Estevez), Sodapop (Rob Lowe), Ponyboy (C. Thomas Howell), Dallas (Matt Dillon), Johnny (Ralph Macchio), Darrel (Patrick Swayze) e Steve (Tom Cruise). Tá bom para você?

Da esq. para a dir.: Two-Bit (Emilio Estevez), Sodapop (Rob Lowe), Ponyboy (C. Thomas Howell), Dallas (Matt Dillon), Johnny (Ralph Macchio), Darrel (Patrick Swayze) e Steve (Tom Cruise). Tá bom para você?

A procura por um "novo James Dean", do jeitinho que a mídia gosta, seguia desde a morte dele em 1955. É muito notável que sejam as décadas de 1950 e 1960 que morem na memória afetiva de filmes produzidos na década de 1980: época de Dean, de Amor, Sublime Amor (a adaptação do musical para a telona é de 1961). Vidas Sem Rumo, aliás, conversa com Amor, Sublime Amor na sua temática de guerra entre gangues juvenis e flerta com a história principal ao aproximar Ponyboy e Johnny de Cherry (Diane Lane), que é da turma dos ricos Socs. Se lá a história era embebida do preconceito contra os latinos, aqui desponta a luta de classes: Greasers são pobres, Socs são playboys.
Outro filme que pode ser apontado como primo desses é Os Selvagens da Noite (1979), o clássico The Warriors, que não entra na lista do Brat Pack por ter um elenco bem diferente da turma e, na minha opinião, um roteiro meio infantil apesar do tema sério da morte de um dos integrantes das gangues retratadas.
E não me leve a mal: adoro The Warriors!

Cena do clássico  Os Selvagens da Noite  de Walter Hill, o mesmo diretor de  Ruas de Fogo  (1984) e que quase dirigiu  Alien, o Oitavo Passageiro  (1979) - que como todo mundo já sabe foi parar nas mãos de  Ridley Scott  e virou um classicão

Cena do clássico Os Selvagens da Noite de Walter Hill, o mesmo diretor de Ruas de Fogo (1984) e que quase dirigiu Alien, o Oitavo Passageiro (1979) - que como todo mundo já sabe foi parar nas mãos de Ridley Scott e virou um classicão

the-outsiders.jpg

A Capricho da época?

Os astros de Vidas Sem Rumo à paisana

Vidas Sem Rumo é uma história de redenção? Quer mostrar que o delinquente juvenil é apenas produto do meio? Que no fundo ele é uma boa pessoa? Bom, tem algo nesse tom grandiloquente que não ajuda, se é essa a tese que Coppola queria aplicar. Pelo contrário: artificializa.

jornal-vidas-sem-rumo.jpg

E daí a gente parte para O Selvagem da Motocicleta, a segunda adaptação de Hinton com direção de Coppola, também sobre gangues, também com um elenco estelar: Dillon faz o personagem principal, Rusty James, ao lado de Nicolas Cage, Mickey Rourke, Laurence Fishburne, Diane Lane e, adivinha, mais uma participação especial de Tom Waits!

Smokey (Nicolas Cage), Steve ( Vincent Spano ), Rusty (Matt Dillon) e B. J. Jackson ( Chris Penn , o irmão de Sean Penn)

Smokey (Nicolas Cage), Steve (Vincent Spano), Rusty (Matt Dillon) e B. J. Jackson (Chris Penn, o irmão de Sean Penn)

Parece uma imitação low-budget de Marlon Brando em O Selvagem (1953)? Bom, talvez seja proposital: Dillon, na época, era a promessa de próximo Brando! E O Selvagem da Motocicleta é o momento em que ele mais imita a interpretação de Brando.
O destaque do filme na verdade não é ele. É Coppola, cheio de metáforas em forma de imagem e planos longos com bastante ação, exercitando-se e obtendo um resultado bem mais interessante que em Vidas Sem Rumo ao meu ver; e são as interpretações de Mickey Rourke, que faz o irmão mais velho de Rusty (a lenda Motorcycle Boy) e de Dennis Hopper como o pai dos dois.

Dos 4 filmes com tramas de Hinton, O Selvagem da Motocicleta é o que menos se aproxima do universo Brat Pack. Mais cult e muito autoral, menos adolescente, extremamente estiloso, visualmente moderno até para os padrões atuais. Portanto recomendo que assistam, mas não incluam em um pacote Brat Pack! Risos!

Dillon & Rourke: nessa, o primeiro saiu perdendo no quesito potencial dramático…

Dillon & Rourke: nessa, o primeiro saiu perdendo no quesito potencial dramático…

E finalmente chegamos no último longa baseado em um livro de S. E. Hinton. A Força da Inocência foi a iniciação de Estevez em outra área: o roteiro é o primeiro assinado por ele. Craig Sheffer faz o rapaz mais velho, Bryon, e Estevez interpreta o mais novo e mais problemático Mark. Hinton não foi envolvida nessa adaptação, e com isso eles também mudaram o fim e a ambientação (os livros se passam todos em Tulsa, Oklahoma; o filme A Força da Inocência acontece em Minnesota).

Bryon (Sheffer) e Mark (Estevez) em  A Força da Inocência

Bryon (Sheffer) e Mark (Estevez) em A Força da Inocência

A crítica de Vincent Canby para o New York Times na época do lançamento de A Força da Inocência chama o filme de "a adaptação menos interessante de um livro de S. E. Hinton para o cinema". Acho a afirmação um tanto pesada mas não deixa de ser verdadeira! Isso também não quer dizer que o filme seja péssimo - ele é bacaninha sim.

Para terminar: lembra que eu falei no post anterior que o Brat Pack variava, que cada um fazia um grupo na sua cabeça e não existia exatamente uma regra única para incluir alguém? Olha essa imagem…

brat-pack-alternativo.jpg

Pois é!

Curiosamente, atores como Matt Dillon não colaram como integrantes do Brat Pack para sempre. Dillon tinha a mesma faixa de idade (Estevez é inclusive mais velho), mas começou a se afastar dessa temática após O Selvagem da Motocicleta. Em 1989, faria o papel principal em Drugstore Cowboy, que é bem centrado no vício em drogas.

E chega de falar de boys - esse post transbordou testosterona, eu hein! O próximo é especial, com a maior musa do Brat Pack… Aguarde!

Brat Pack parte 1: Quem são eles?

Tenho falado, pouco a pouco, das agruras da fama. Não tenho? Comentei disso no post das idols japonesas (e cito uma, Yukiko Okada, que cometeu suicídio), no da freira que cantava Soeur Sourire (que também cometeu suicídio), e tangencialmente falo de fama e efeitos no post da Angela Ro Ro e outros. Me interesso bastante pelo assunto.
E ao mesmo tempo me interesso bastante pelos filmes adolescentes de Hollywood dos anos 1980. Foi uma reinvenção de um gênero, uma redescoberta de um público, e um estilo de fazer a coisa sem infantilizá-la que basicamente estava nas mãos de um homem só, John Hughes.

Juntando esses dois universos, a gente tem algumas histórias de vida que funcionam quase como parábolas sobre alguns jovens que começaram a carreira juntos e eram amigos (bem, há controvérsias); e que a fama veloz quase que devorou. Para eles o sucesso veio antes de Angelina Jolie, Leonardo di Caprio, Brad Pitt, Scarlett Johansson, Julia Roberts e outros que hoje são considerados grandes estrelas. Mas esse grupo nunca conseguiu se equiparar numa carreira longeva como esses colegas citados.
Está na hora de falar do… Brat Pack.

Alguns, mas não todo o Brat Pack, com John Hughes abaixo (ele é o de óculos)

Alguns, mas não todo o Brat Pack, com John Hughes abaixo (ele é o de óculos)

Então vamos começar pelo apelido: Brat Pack é uma brincadeira com o Rat Pack, o grupo informal de artistas amigos da década de 1950 que incluía Frank Sinatra, Sammy Davis Jr, Dean Martin, Humphrey Bogart… Mas no lugar da palavra "rato", aparece algo como… "pirralho". O termo foi cunhado pela primeira vez por David Blum, jornalista que a princípio faria um artigo para a New York sobre Emilio Estevez, que hoje tem a alcunha de irmão do Charlie Sheen (também, né, Sheen fez e aconteceu…) e antes tinha a alcunha de filho de Martin Sheen mas, acima de tudo, era um dos novos nomes mais promissores de Hollywood. Blum foi encontrá-lo no Hard Rock Cafe (só existia um em 1985, e era em Los Angeles) e começou a observar o comportamento de Emilio e seus amigos Rob Lowe e Judd Nelson. Era um pouco depois do lançamento de O Clube dos Cinco e um pouco antes de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Nascia uma nova ideia para o artigo, que agora incluiria toda a turma, e o apelido em si, que acabou pegando.

new-york-magazine.jpg

O artigo original

que deu o que falar

O problema é que se o Rat Pack era admirado pelo lado que flertava com o marginal e o sacana, o Brat Pack foi retratado como um bando de meninos mimados. Segundo vários deles, isso se tornou um estigma: todo mundo passou a encará-los como moleques incontroláveis, com os quais você não conseguiria lidar profissionalmente se não tivesse muita paciência. Ao mesmo tempo que fazer parte do Brat Pack garantiria um passaporte de fama, isso virou uma maldição - e depois a gente vai ver que apenas uma integrante, e olhe lá, conseguiu superar o termo e talvez seja a única que não vai ser chamada de ex-Brat Pack para sempre.

Mas quem são os integrantes do Brat Pack? Olha, esses nomes variam de acordo com as fontes. Eu considero que são os atores principais de O Clube dos Cinco e O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas, assim como a maioria das pessoas, sendo que 3 deles estão em ambos os longas. Vou enumerá-los aqui, e depois falo dos "membros honorários", que transitavam ao redor.

judd-nelson.jpg

Judd Nelson

O jovem de aspirações políticas de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas e o bad boy de O Clube dos Cinco. Hoje tem um personagem fixo na série Empire: Fama e Poder

emilio-estevez.jpg

Emilio Estevez

O jock de Clube dos Cinco e o aspirante a advogado de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Depois disso já fez o papel de Bobby F. Kennedy no filme Bobby (2006), que ele também escreveu e dirigiu. O longa foi premiado no Festival de Veneza!

molly-ringwald.jpg

A pobre menina rica Claire de O Clube dos Cinco é a maior filhinha de papai do cinema. Molly foi um ícone teen irresistível e onipresente na década de 1980 - e vai ganhar um post só dela, claro!

rob-lowe.jpg

Rob Lowe

O galã da turma, e o irresponsável Billy em O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Não tenho como provar mas tudo indica que muitos rapazes tiveram o corte mullet achando que iam ficar bonitos que nem ele. E não ficaram. Lowe também vai ganhar um post pois NOSSA, que reviravoltas, viu?

anthony-michael-hall.jpg

Anthony Michael Hall

Quem diria que o mascote da turma viraria um ator de filmes e séries de ação? Mas foi isso que aconteceu. Ele era o nerd Brian de O Clube dos Cinco - e era meio que especializado nesse tipo de papel no começo de sua carreira

ally-sheedy.jpg

Ally Sheedy

Ela também está nos dois filmes, mas sinceramente gosto mais de seu papel em O Clube dos Cinco: a esquisitona Allison é maravilhosa!

andrew-mccarthy.jpg

Andrew McCarthy

O escritor Kevin de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas foi bem prolífico nos anos 1980. Na década de 2000, começou a se aventurar como diretor e a curiosidade é que ele dirigiu vários episódios de Orange is the New Black!

demi-moore.jpg

Demi Moore

Sim. Ela mesma. Demi foi a que se deu melhor no Brat Pack logo depois da febre: em 1990 estrelou o blockbuster Ghost e em 1993 só se falava de Proposta Indecente (você aceitaria?). Só que depois rolou uma flopada gigante e hoje ela não é mais considerada uma superestrela. Ela é a modernete Jules em O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas

Detalhe: essa não é a turma original, do artigo de David Blum lá em 1985. Lembre-se que o artigo saiu antes de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas estrear. O Clube dos Cinco ainda não tinha um status cult. Blum se baseou em amizades já formadas, focando no trio Lowe-Nelson-Estevez. Sendo assim, outros nomes jovens da época também aparecem lá. E, veja só, nenhuma mulher, reproduzindo a representatividade do Rat Pack original. Pior ainda: sem negros, assim como no Brat Pack que se convencionou depois.
Para Blum, estavam incluídos Tom Cruise, Matt Dillon, Nicholas Cage e Sean Penn, por exemplo. Todos eles viram, em maior ou menor grau, seus status de estrelas crescendo ainda mais pós anos 1980. E curiosamente Blum insere Timothy Hutton na lista, apesar do próprio Brat Pack na época rejeitá-lo porque, mesmo com um Oscar por Gente Como a Gente (1980) e protagonizando o respeitado Toque de Recolher (1981), o encanto acabou em suas escolhas profissionais posteriores, com filmes que fracassaram na bilheteria e não tiveram o retorno artístico esperado.
O que aconteceu é que o termo pegou e geral se apropriou dele. Como o artigo foi feito no calor do momento e baseando-se nas relações pessoais, a turma foi revisada a partir do momento que se convencionou um conceito mais para relações profissionais - jovens que costumavam trabalhar juntos e eventualmente eram amigos. Matthew Broderick e Kevin Bacon, por exemplo, não eram amigos deles, mas eram contemporâneos. Robert Downey Jr só seria considerado no futuro, por ter participado de Mulher Nota 1000 (1985), Abaixo de Zero (1987) e Johnny Bom de Transa (1988) e por ter feito parte do Saturday Night Live ao lado de Anthony Michael Hall no meio dos anos 1980.
E a mãe de Clark Kent, Martha? Diane Lane participou de dois filmes superimportantes ligados ao Brat Pack: Vidas Sem Rumo (1983) e O Selvagem da Motocicleta (1983). Mas sua carreira ficou mais ligada ao diretor de ambos os filmes do que ao grupo: nada menos que Francis Ford Coppola. Ainda faria Cotton Club (1984) e muito tempo depois estrelaria Paris Pode Esperar (2016) de Eleanor Coppola, a mulher de Francis.

brat-pack-2.jpg

O elenco reunido

de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Reparou que tem uma a mais que não foi citada?

Mare Winningham é outro caso a parte, a única atriz que atuou em papel principal em um dos dois filmes-chave para entender o Brat Pack (O Primeiro Ano) porém não é ligada ao grupo. Vai saber porquê: sua carreira de fato tomou outros caminhos. Já tinha ganhado o Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante pelo telefilme Amber Waves (1980), ganhou outro Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante pela série George Wallace - O Homem Que Vendeu Sua Alma (1997) e concorreu ao Oscar (de, adivinha, Melhor Atriz Coadjuvante) por Georgia (1995).
Ah, e tem uma curiosidade: Winningham é uma das atrizes recorrentes em American Horror Story! Já fez os papéis de Rita Gayheart, a irmã de Pepper (Naomi Grossman) em Freak Show; a mãe de Kyle Spencer (Evan Peters) em Coven; a empregada Hazel Evers em Hotel e a política Sally Keffler em Cult. E quase todos os personagens exceto Rita são assassinados por personagens de Evan Peters!

Bom, a gente já entendeu que os dois filmes mais importantes do Brat Pack são O Clube dos Cinco e O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Mas eles são os primeiros? Não necessariamente: Blum aponta o começo de tudo em Toque de Recolher (1981) de Harold Becker e tem quem fale, na verdade, do quarteto Tex: Um Retrato da Juventude (1982), Vidas Sem Rumo (1983), O Selvagem da Motocicleta (1983) e A Força da Inocência (1985) - são 4 filmes que vieram de livros escritos por S. E. Hinton. Mas isso é assunto para um próximo post… Afinal, o "parte 1” no título não está ali à toa! Aguardem!

Timothy Hutton em  Toque de Recolher  (1981): o primeiro filme do Brat Pack segundo Blum

Timothy Hutton em Toque de Recolher (1981): o primeiro filme do Brat Pack segundo Blum