Brat Pack parte 1: Quem são eles?

Tenho falado, pouco a pouco, das agruras da fama. Não tenho? Comentei disso no post das idols japonesas (e cito uma, Yukiko Okada, que cometeu suicídio), no da freira que cantava Soeur Sourire (que também cometeu suicídio), e tangencialmente falo de fama e efeitos no post da Angela Ro Ro e outros. Me interesso bastante pelo assunto.
E ao mesmo tempo me interesso bastante pelos filmes adolescentes de Hollywood dos anos 1980. Foi uma reinvenção de um gênero, uma redescoberta de um público, e um estilo de fazer a coisa sem infantilizá-la que basicamente estava nas mãos de um homem só, John Hughes.

Juntando esses dois universos, a gente tem algumas histórias de vida que funcionam quase como parábolas sobre alguns jovens que começaram a carreira juntos e eram amigos (bem, há controvérsias); e que a fama veloz quase que devorou. Para eles o sucesso veio antes de Angelina Jolie, Leonardo di Caprio, Brad Pitt, Scarlett Johansson, Julia Roberts e outros que hoje são considerados grandes estrelas. Mas esse grupo nunca conseguiu se equiparar numa carreira longeva como esses colegas citados.
Está na hora de falar do… Brat Pack.

Alguns, mas não todo o Brat Pack, com John Hughes abaixo (ele é o de óculos)

Alguns, mas não todo o Brat Pack, com John Hughes abaixo (ele é o de óculos)

Então vamos começar pelo apelido: Brat Pack é uma brincadeira com o Rat Pack, o grupo informal de artistas amigos da década de 1950 que incluía Frank Sinatra, Sammy Davis Jr, Dean Martin, Humphrey Bogart… Mas no lugar da palavra "rato", aparece algo como… "pirralho". O termo foi cunhado pela primeira vez por David Blum, jornalista que a princípio faria um artigo para a New York sobre Emilio Estevez, que hoje tem a alcunha de irmão do Charlie Sheen (também, né, Sheen fez e aconteceu…) e antes tinha a alcunha de filho de Martin Sheen mas, acima de tudo, era um dos novos nomes mais promissores de Hollywood. Blum foi encontrá-lo no Hard Rock Cafe (só existia um em 1985, e era em Los Angeles) e começou a observar o comportamento de Emilio e seus amigos Rob Lowe e Judd Nelson. Era um pouco depois do lançamento de O Clube dos Cinco e um pouco antes de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Nascia uma nova ideia para o artigo, que agora incluiria toda a turma, e o apelido em si, que acabou pegando.

new-york-magazine.jpg

O artigo original

que deu o que falar

O problema é que se o Rat Pack era admirado pelo lado que flertava com o marginal e o sacana, o Brat Pack foi retratado como um bando de meninos mimados. Segundo vários deles, isso se tornou um estigma: todo mundo passou a encará-los como moleques incontroláveis, com os quais você não conseguiria lidar profissionalmente se não tivesse muita paciência. Ao mesmo tempo que fazer parte do Brat Pack garantiria um passaporte de fama, isso virou uma maldição - e depois a gente vai ver que apenas uma integrante, e olhe lá, conseguiu superar o termo e talvez seja a única que não vai ser chamada de ex-Brat Pack para sempre.

Mas quem são os integrantes do Brat Pack? Olha, esses nomes variam de acordo com as fontes. Eu considero que são os atores principais de O Clube dos Cinco e O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas, assim como a maioria das pessoas, sendo que 3 deles estão em ambos os longas. Vou enumerá-los aqui, e depois falo dos "membros honorários", que transitavam ao redor.

judd-nelson.jpg

Judd Nelson

O jovem de aspirações políticas de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas e o bad boy de O Clube dos Cinco. Hoje tem um personagem fixo na série Empire: Fama e Poder

emilio-estevez.jpg

Emilio Estevez

O jock de Clube dos Cinco e o aspirante a advogado de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Depois disso já fez o papel de Bobby F. Kennedy no filme Bobby (2006), que ele também escreveu e dirigiu. O longa foi premiado no Festival de Veneza!

molly-ringwald.jpg

A pobre menina rica Claire de O Clube dos Cinco é a maior filhinha de papai do cinema. Molly foi um ícone teen irresistível e onipresente na década de 1980 - e vai ganhar um post só dela, claro!

rob-lowe.jpg

Rob Lowe

O galã da turma, e o irresponsável Billy em O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Não tenho como provar mas tudo indica que muitos rapazes tiveram o corte mullet achando que iam ficar bonitos que nem ele. E não ficaram. Lowe também vai ganhar um post pois NOSSA, que reviravoltas, viu?

anthony-michael-hall.jpg

Anthony Michael Hall

Quem diria que o mascote da turma viraria um ator de filmes e séries de ação? Mas foi isso que aconteceu. Ele era o nerd Brian de O Clube dos Cinco - e era meio que especializado nesse tipo de papel no começo de sua carreira

ally-sheedy.jpg

Ally Sheedy

Ela também está nos dois filmes, mas sinceramente gosto mais de seu papel em O Clube dos Cinco: a esquisitona Allison é maravilhosa!

andrew-mccarthy.jpg

Andrew McCarthy

O escritor Kevin de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas foi bem prolífico nos anos 1980. Na década de 2000, começou a se aventurar como diretor e a curiosidade é que ele dirigiu vários episódios de Orange is the New Black!

demi-moore.jpg

Demi Moore

Sim. Ela mesma. Demi foi a que se deu melhor no Brat Pack logo depois da febre: em 1990 estrelou o blockbuster Ghost e em 1993 só se falava de Proposta Indecente (você aceitaria?). Só que depois rolou uma flopada gigante e hoje ela não é mais considerada uma superestrela. Ela é a modernete Jules em O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas

Detalhe: essa não é a turma original, do artigo de David Blum lá em 1985. Lembre-se que o artigo saiu antes de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas estrear. O Clube dos Cinco ainda não tinha um status cult. Blum se baseou em amizades já formadas, focando no trio Lowe-Nelson-Estevez. Sendo assim, outros nomes jovens da época também aparecem lá. E, veja só, nenhuma mulher, reproduzindo a representatividade do Rat Pack original. Pior ainda: sem negros, assim como no Brat Pack que se convencionou depois.
Para Blum, estavam incluídos Tom Cruise, Matt Dillon, Nicholas Cage e Sean Penn, por exemplo. Todos eles viram, em maior ou menor grau, seus status de estrelas crescendo ainda mais pós anos 1980. E curiosamente Blum insere Timothy Hutton na lista, apesar do próprio Brat Pack na época rejeitá-lo porque, mesmo com um Oscar por Gente Como a Gente (1980) e protagonizando o respeitado Toque de Recolher (1981), o encanto acabou em suas escolhas profissionais posteriores, com filmes que fracassaram na bilheteria e não tiveram o retorno artístico esperado.
O que aconteceu é que o termo pegou e geral se apropriou dele. Como o artigo foi feito no calor do momento e baseando-se nas relações pessoais, a turma foi revisada a partir do momento que se convencionou um conceito mais para relações profissionais - jovens que costumavam trabalhar juntos e eventualmente eram amigos. Matthew Broderick e Kevin Bacon, por exemplo, não eram amigos deles, mas eram contemporâneos. Robert Downey Jr só seria considerado no futuro, por ter participado de Mulher Nota 1000 (1985), Abaixo de Zero (1987) e Johnny Bom de Transa (1988) e por ter feito parte do Saturday Night Live ao lado de Anthony Michael Hall no meio dos anos 1980.
E a mãe de Clark Kent, Martha? Diane Lane participou de dois filmes superimportantes ligados ao Brat Pack: Vidas Sem Rumo (1983) e O Selvagem da Motocicleta (1983). Mas sua carreira ficou mais ligada ao diretor de ambos os filmes do que ao grupo: nada menos que Francis Ford Coppola. Ainda faria Cotton Club (1984) e muito tempo depois estrelaria Paris Pode Esperar (2016) de Eleanor Coppola, a mulher de Francis.

brat-pack-2.jpg

O elenco reunido

de O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Reparou que tem uma a mais que não foi citada?

Mare Winningham é outro caso a parte, a única atriz que atuou em papel principal em um dos dois filmes-chave para entender o Brat Pack (O Primeiro Ano) porém não é ligada ao grupo. Vai saber porquê: sua carreira de fato tomou outros caminhos. Já tinha ganhado o Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante pelo telefilme Amber Waves (1980), ganhou outro Emmy de Melhor Atriz Coadjuvante pela série George Wallace - O Homem Que Vendeu Sua Alma (1997) e concorreu ao Oscar (de, adivinha, Melhor Atriz Coadjuvante) por Georgia (1995).
Ah, e tem uma curiosidade: Winningham é uma das atrizes recorrentes em American Horror Story! Já fez os papéis de Rita Gayheart, a irmã de Pepper (Naomi Grossman) em Freak Show; a mãe de Kyle Spencer (Evan Peters) em Coven; a empregada Hazel Evers em Hotel e a política Sally Keffler em Cult. E quase todos os personagens exceto Rita são assassinados por personagens de Evan Peters!

Bom, a gente já entendeu que os dois filmes mais importantes do Brat Pack são O Clube dos Cinco e O Primeiro Ano do Resto de Nossas Vidas. Mas eles são os primeiros? Não necessariamente: Blum aponta o começo de tudo em Toque de Recolher (1981) de Harold Becker e tem quem fale, na verdade, do quarteto Tex: Um Retrato da Juventude (1982), Vidas Sem Rumo (1983), O Selvagem da Motocicleta (1983) e A Força da Inocência (1985) - são 4 filmes que vieram de livros escritos por S. E. Hinton. Mas isso é assunto para um próximo post… Afinal, o "parte 1” no título não está ali à toa! Aguardem!

Timothy Hutton em  Toque de Recolher  (1981): o primeiro filme do Brat Pack segundo Blum

Timothy Hutton em Toque de Recolher (1981): o primeiro filme do Brat Pack segundo Blum