Kiko Mizuhara: a sexta integrante do Five Fab do Queer Eye!

Já viu Queer Eye: Luz, Câmera, Japão!? A nova temporada de Queer Eye está em Tóquio e é curtinha, 4 episódios. Mas é tudo porque acrescenta na fórmula dessa versão Netflix do Queer Eye (transformação também interna, autoestima etc. e tal) o elemento do choque cultural. Como eu já disse aqui antes, a cultura japonesa e oriental no geral valoriza mais a coletividade do que a individualidade. Para o bem e para o mal: muita gente se sente anulada enquanto indivíduo. E também existe um sentimento de solidão muito forte - em Tóquio trabalha-se muito e socializa-se pouco, bebe-se demais como válvula de escape e, se você perder o trem, acaba dormindo em um hotel-cápsula, praticamente uma gaveta na parede. Incel lá é normal, cada vez menos gente casa e tem filho, quem tem filho tem só um, a taxa de natalidade vai caindo… Por aí vai. Lá é normal ter um balcão de restaurante voltado para a parede: é para você comer sozinho, olhando para o nada.

Mas tem coisas boas no Japão também, tá? kkkkkkkk

Bom, quem assistiu reparou que existe uma mulher no elenco fixo. Kiko Mizuhara serve como ponte, uma espécie de tradutora cultural, cis e hétero porém simpatizante, linda, tipo uma Maki Nomiya para 2019!

kiko-mizuhara.gif

As participações da Kiko são meio forçadas nesses epês. Às vezes parece que eles não sabem direito o que fazer com ela. Deviam ou ter assumido que ela era parte essencial e adicionado a fofa mais vezes, ou o jeito era deixá-la numa espécie de quadro fixo e pronto. Só no começo, por exemplo, para explicar e contextualizar melhor a questão de cada indicado no programa por causa das diferenças culturais entre ocidente e o Japão.
Mas de qualquer forma dá para ver que Kiko já é uma celebridade pela reação do Kan no episódio 2, quando o Karamo fala para ele que eles vão encontrar a Kiko. A bi fica empolgadérrima!!! Então porque deixar a moça tão subaproveitada?

Bom, a Kiko é famosa SIM. Lembra, por exemplo, do clipe de I Feel It Coming do The Weeknd?

Você quer capas de revista? Eu te dou.

Tá bom assim?

Kiko é americana e é filha de coreana com norte-americano. Nasceu no Texas mas se mudou muito pequena para o Japão. Ela já assinou coleção-cápsula para a Opening Ceremony, trabalhou como embaixadora da Dior e da Coach, participou de filmes como Norwegian Wood (de 2010, baseado no livro de Haruki Murakami). E cantou!

Herdeira do Shibuya-kei sim!!!
Resumindo, Kiko é tudo.

Para finalizar, um lamen lisérgico para abrir o seu apetite:

Midnight Diner voltoooooou - e eu não consigo pensar em outra coisaaaa

(Mentira, até consigo, mas fiquei empolgado demais)

Você já assistiu ao Midnight Diner? A série da Netflix é MUITO legal.

Kaoru Kobayashi  faz o papel do Master, o dono e cozinheiro do izakaya que aparece em todos os episódios

Kaoru Kobayashi faz o papel do Master, o dono e cozinheiro do izakaya que aparece em todos os episódios

Baseada no mangá de Yarō Abe, ela se concentra num izakaya que fica em Shinjuku, o bairro central de Tóquio, que só abre da meia noite às 7 da manhã. Por lá passam diversos tipos, e as histórias dessas pessoas vão sendo retratadas a cada episódio. O mais legal: a grande maioria das histórias tem sua conclusão no mesmo episódio, ou seja, não precisa maratonar, não te dá ansiedade de terminar, é para assistir um episódio por vez e ficar zen. Delícia!

Existem, na verdade, mais três temporadas anteriores às duas que estão disponíveis na Netflix, pelo que entendi. Nunca corri atrás - na verdade descobri isso agora - e fiquei curioso! A série também ganhou adaptações chinesa e coreana, que parece que não fizeram tanto sucesso quanto a japonesa pois só tiveram uma temporada cada.

A adaptação chinesa com Huang Lei

A adaptação chinesa com Huang Lei

A versão coreana, chamada  Late Night Restaurant , com Kim Seung-woo

A versão coreana, chamada Late Night Restaurant, com Kim Seung-woo

Toda história tem um prato específico que aparece e serve como pano de fundo, então ela demonstra como a culinária japonesa do dia a dia é muito mais do que sushi. Aliás, nunca vi sushi no Midnight Diner, acho que o Master não faz!

Em pegada totalmente diferente mas que também tem a ver com comida, também estreou a nova série Café, Almoço e Jantar com o meu chef queridinho David Chang. Ele vai para lugares diferentes pelo mundo, cada vez com uma celebridade, para conhecer a comida e a cultura do local. O primeiro episódio, em Vancouver com Seth Rogen, serviu para me lembrar como acho o Rogen um tonto. Affffe. Recomendo começar pelo segundo, com a Chrissy Teigen em Marraquexe. Bem mais legal!

chrissy-teigen-david-chang.jpg

E essas são as dicas de como passar o fim de semana assistindo TV e pedindo delivery! Tchau!

Casos de família: dois filmes MUITO bons

Assisti nessa semana dois filmes que eu achei ÓTIMOS e estou juntando num post só. É porque ambos são asiáticos? Podia ser, mas não. Eles têm muito mais em comum: são sobre família e sobre, voilá… luta de classes! Vamos a eles: Assunto de Família (2018) e Parasita (2019), os ganhadores das Palmas de Ouro em Cannes do ano passado e desse ano, respectivamente.

Qual é o conceito de família?

assuntos-de-familia.jpg

Parece uma família feliz na foto, certo? E é mesmo. Assunto de Família, aliás, tem um título melhor em japonês e em inglês: Manbiki Kazoku (família de ladrões) e Shoplifters. São pessoas marginalizadas no Japão (quem diria!) e eu não queria dar spoilers, então vou só dar perguntas:
. Essa não é spoiler porque acontece bem no começo do filme: se você acha uma criança com sinais de maus-tratos, você devolve ou fica com ela?
. Nessa mesma pegada: o conceito de família precisa ser atrelado a laços sanguíneos?
. Família, mesmo que seja relacionada a laços sanguíneos, não é uma convenção social? Será que estamos atrelados e organizados socialmente assim, nesse tipo de núcleos, porque faz sentido… economicamente? Ou faz sentido econômica e emocionalmente?
. Numa economia cada vez mais fdp para quem não é milionário, será que o sentido de família está mudando por motivos econômicos?
. É mais interessante para uma sociedade capitalista que a gente tenha laços desse tipo ou que sejamos sozinhos, moremos sozinhos, vivamos sozinhos?
. O que é moralmente aceitável quando a sociedade capitalista falha com uma (grande) parcela da sociedade? É aceitável roubar? Se sim ou se não: até que ponto? É aceitável roubar de uma lojinha de um pequeno empreendedor, de uma franquia de uma grande cadeia de lojas, ou dos dois, ou de nenhum? Qual é o parâmetro?
. É aceitável a prostituição? Ou apenas a exibição do corpo sem contato físico? Ou a exibição do seu corpo com contato físico mas sem penetração? Se a exibição é aceitável mas a prostituição não, por quê? Se a exibição não é aceitável - por que biscoitar nas redes sociais ou mandar nudes é normal e ganhar dinheiro com isso não seria?
. A convivência gera o laço amoroso?

O filme é triste. Ele não cai no melodrama, e por isso dá uma sensação mais amarga ainda. Acho que principalmente porque a gente não se coloca no lugar de algum membro da família - talvez das crianças, mas é rápido. Na verdade a gente se coloca no lugar de espectador daquilo. E é assim que a gente age na vida real: assiste. Como mero espectador.

Em cena, os atores Sakura Andô, Miyu Sasaki e Lily Franky (sim, o nome dele é Lily Franky)

Em cena, os atores Sakura Andô, Miyu Sasaki e Lily Franky (sim, o nome dele é Lily Franky)

O diretor Hirozaku Koreeda também é o nome por trás de Boneca Inflável (2009), o filme absurdinho no qual uma boneca inflável cria vida e alma. Nunca assisti, mas agora fiquei com mais vontade! Assunto de Família está disponível na Netflix.

O meu quinhão primeiro

Ki-jung (So-dam Park), Ki-woo (Woo-sik Choi) e Chung-sook (Hye-jin Jang): a família Kim é um babado

Ki-jung (So-dam Park), Ki-woo (Woo-sik Choi) e Chung-sook (Hye-jin Jang): a família Kim é um babado

Eles vivem em um semiporão em condições péssimas e se viram nos 30 para sobreviver, por exemplo dobrando embalagens de pizza. E como o próprio nome do filme sugere, enxergam uma oportunidade de funcionarem como parasitas. Eles são malandríssimos e agarram essa chance.
O nome é chocante mesmo: o que é enxergado como parasita da sociedade tem uma conotação ruim e precisa ser eliminado. Só que o parasita, nesse caso, é o ser-humano, que por estar à margem é considerado descartável, mão de obra barata, um incômodo necessário.
Mas o longa não tem mais de duas horas à toa: Parasita surpreende porque é um roteiro intrincado, bem feito, que vai se desenrolando e te surpreendendo. Em termos culturais, pelo fato de ser sul-coreano, ele é quase ocidental. Dá para entender porque ele ganhou Cannes: bem universal, apesar de ter uma trama muito particular e original.
E eu adorei a atriz So-dam Park, principalmente. A filha é apenas maravilhosa.

O diretor Joon-ho Bong já fez o hit vegan Okja (2017), o hollywoodiano Expresso do Amanhã (2013) e O Hospedeiro (2006), que nunca vi mas já me disseram que é bom (tem na Netflix).

“Qual é a senha do wi-fiiiii?"

“Qual é a senha do wi-fiiiii?"

Devolvam o meu cavaleiro queer de Andrômeda!

Você gosta de Cavaleiros do Zodíaco? A 2nd Floor, que lançou uma coleção licenciada em 2015, chega com a segunda leva de camisetas agora, provavelmente na onda do remake da Netflix que estreou no serviço de streaming em julho.

Que amor! <3

Que amor! <3

Os desenhos são da versão original

Os desenhos são da versão original

São 12 camisetas e 5 moletons que chegam nas lojas a partir de 2/09. As camisetas vão custar de R$ 139 a R$ 189. Os moletons saem por R$ 479.

Aí a gente aproveita para falar dessa nova versão de Cavaleiros, em CGI. O problema não é ser CGI - mas é um CGI meio tosco, tipo de Playstation 2 (nem sei do que estou falando, parei de jogar videogame no Supernintendo, então leia essa fase do tipo "CGI tosco como o de um videogame antigo"). Se é para ser meio tosquinho assim, melhor continuar no desenho manual mesmo, né? Mas a verdade é que o CGI deve agilizar a produção, provavelmente.
Você assistiu? Eu só vi o primeiro e o segundo episódios. Achei qualquer coisa, mas acho que de uma amostra tão pequena não dá para chegar em muitas conclusões.
Só que, você já deve saber, o cavaleiro de Andrômeda Shun virou Shaun, uma mulher.

shaun-andromeda.jpg

Na época (dezembro de 2018 para ser mais exato), o roteirista Eugene Son mandou o maior textão para explicar porque Andrômeda agora era uma mulher. Usou a carta da representatividade para dizer que eles precisavam incluir uma personagem feminina forte na turma dos cavaleiros de bronze.
A Toei, na figura do produtor Yoshi Ikezawa, fez a mesma coisa.
Só que eles falharam em responder um pequeno detalhe: por que o cavaleiro de Andrômeda, exatamente, e não outro?
Escolhendo Shun e transformando-o em Shaun, eles falham ao estragar a questão da representatividade queer, já que era um tanto óbvio que Shun era diferente dos outros cavaleiros, e a sua relação com Hyoga de Cisne reforçava ainda mais esse ponto.

shun-hyoga.jpg

Lembro-me de entender que Shun era gay, simples assim. Quero deixar claro que acho a questão da representatividade feminina importante, mas por que não transformar Shiryu? Ou criar uma nova personagem? Ao transformar Shun em Shaun usando o discurso de “estamos sendo politicamente corretos", a produção é ainda mais perversa - o que ocorre nessa nova versão é o apagamento de um elemento queer que poderia incomodar os pais mais conservadores de 2019 com uma desculpa que poderia pegar bem entre os mais liberais.
Para mim não colou. Fiquei com raiva mesmo. Sem comparação com os tontos que reclamaram da Pequena Sereia negra, do Batman Pattinson, do Ghostbusters das mulheres - acredito que colocar a turma queer contra uma reivindicação feminista é coisa de vilão de ficção mesmo. Que nojentos FDP!

Então pinta aquele agradecimento público para a 2nd Floor - como dá para ver na primeira imagem, eles continuam usando a imagem de Shun. <3 #shunforever

shun-andromeda.png