A disco music brasileira

Gosto muito de disco music, mas se for brasileira é ainda melhor. Acho que foi lá no começo dos anos 2000 que comecei a gostar mais - tinha uma festa chamada Ressucita-me que eu e meus amigos frequentávamos e ela costumava tocar esse tipo de coisa.
Mas se nos EUA e em outros lugares do mundo a disco music teve um viés libertário para os gays e para os negros, aqui a música nesse estilo em português e produzida no Brasil não chegava nisso. Era capitali$mo mesmo, tudo orquestrado por homens brancos tipo Carlos Imperial e Mister Sam. Paciência - pelo menos vejo uma sexualidade mais livre em Gretchen, Ronaldo Resedá e Sarah Regina, uma negritude glamourosa em Lady Zu, uma saída do eixo do Sudeste com Miss Lene.
Abaixo coloquei algumas das minhas disco songs preferidas em português. Você tem alguma que acha mara e não está aqui? Me avisa, talvez eu não conheça!
A gente se encontra na pista!

#1: A Noite Vai Chegar (1977) - Lady Zu

"Meu pensamento está tão longe"… Um clássico: ouvi demais um disco que foi relançado em formato CD e tinha esse mega hit. A voz chiquérrima de Zuleide (o nome verdadeiro dela) merecia ser mais reverenciada. Ela tentou retomar a carreira na década de 2000 mas não chegou a fazer o sucesso retumbante da década de 1970.

#2: Amor Bandido (1979): Sarah Regina

Sarah foi a finalista de um concurso do Show de Calouros do Silvio Santos mais ou menos nessa época. Depois de tentar mais um tanto a carreira de cantora, acabou indo para a dublagem, jingles e backing vocals. Mas antes, em 1981, lançaria o disco Felina, que teria entre outras coisas… uma versão de Can't Take my Eyes Off of You que é bem, hum, instigante! Chama-se Tenho Sede. Hehehehehe! Gosto de Amor Bandido e de outras das músicas que estão nessa lista especialmente por causa das letras, são populares e divertidas!

#3: Cara de Pau (1978) - Ana e Ângela

Ana na verdade chamava Áurea e já tinha uma carreira atrelada ao estilo da Jovem Guarda. Gravou, por exemplo, uma versão de Goodbye do Paul McCartney em 1969. E Ângela, na verdade Ângela Márcia, é a mulher de Sérgio Reis! Essa música fez parte da trilha da novela Te Contei? da Globo. Falando nela…

#4: Te Contei? (1978) - Sônia Burnier

Nem tão disco, deliciosamente pop: a música de Rita Lee e Roberto de Carvalho foi para a abertura da novela cantada por Sônia Burnier. Se o nome não é estranho para você, existe um motivo: ela é irmã de Otávio Burnier, que formava a dupla Burnier e Cartier. Eu ADORO o álbum deles de 1974. Junto com eles, Sonia gravou a trilha sonora do Sítio do Picapau Amarelo - eles cantavam a música da Jabuticaba e a do Saci. Tanto Tavynho quanto Sonia eram sobrinhos de Luiz Bonfá. Participaram de gravações com ele. Minha opinião: Sonia era mais do jazz do que do pop e Te Contei? foi uma diversão passageira.

#5: Pertinho de Você (1978) - Elizângela

O produtor Hugo Bellard misturou a batida que ele ouviu num disco do jamaico Jesse Green (talvez de Nice and Slow? Parece) com o estilo de cantoras tipo Tina Charles (de ultrasucessos como I Love to Love). Virou uma brincadeira com a atriz Elizângela, sem grandes pretensões… mas que vendeu 20.000 de compacto (single) por semana no Brasil. 54 semanas nas paradas de sucesso da época. E é uma delicinha mesmo - a banda Capim com Mel gravou já nos anos 2000 em ritmo de forró e virou sucesso de novo!

#6: Quem é Ele? (1978) - Miss Lene

Miss Lene é a cearense Frankislene Ribeiro Freitas. Adoro essa e Deixa a Música Tocar, da mesma época. Depois ela gravaria Vivendo com Medo em 1980 - a música tema é de Guilherme Arantes, e o disco ainda trazia uma versão de uma balada bem linda de Kate Bush, O Homem. A voz de Miss Lene é bem potente. É engraçado que, dessa turma, a que tinha menos voz foi a que seguiu carreira com altos e baixos, mas vários altos, até hoje. A gente chega nela daqui a pouco, mas acho que você sabe de quem eu estou falando…

#7: Acenda o Farol (1978) - Tim Maia

Um pouco depois do período Cultura Racional - e da desilusão com a religião do Universo em Desencanto - Tim Maia caiu no hedonismo da discoteca em Tim Maia Disco Club. Acenda o Farol é a segunda faixa do álbum, arranjos de Tim com arranjos de metais e cordas de Lincoln Olivetti - ele também tocou piano elétrico, órgão e sintetizador. Conta com a Banda Black Rio na cozinha. Amo!

#8: Bem-me-quer (1980) - Rita Lee

A partir do encontro com Roberto de Carvalho e depois de ser presa por porte de maconha, Rita Lee passou por uma reinvenção. Da roqueira que os pais não queriam que os filhos ouvissem, ela se transformou na cantora das baladas que a família inteira ouvia junto. Bem-me-quer, que é quase uma disco music e está no álbum de 1980 que abre com Lança Perfume (outra "quase disco music, quase marchinha de carnaval"), tem um solinho de guitarra maravilha no começo. E Gal Costa também canta!

#9: Felicidade (Margarida) (1980) - Harmony Cats

Esse clipe não-oficial deve ter sido feito por um fã. Acho que Margarida é da primeira formação do Harmony Cats, se não me engano, com Cidinha, Rita Kfouri, Juanita, Maria Amélia e Vivian Costa Manso. A ideia foi de Helio Costa Manso: juntou a irmã Maria Amélia, a mulher Vivian e mais 3 cantoras e fez uns medleys de sucessos em ritmo dançante. Tanto Maria Amélia quanto Vivian também fizeram parte da mítica banda Sunday do Helio (também produtor, já foi da RGE e Som Livre), que gravou pencas de covers dos anos 1970 para frente. Teve um set da época que eu era DJ e tocava com a Talita Denardi que a gente começou, se não me engano, com Felicidade. Esse começo é irresistível!

#10: Sábado que Vem (1978) - Brenda

Nunca encontrei uma informação sobre a Brenda, mas certamente ela é gringa. Ou está forçando um sotaque engraçado. Só sei que foi produzida por Roberto Livi - a gente já falou dele aqui, o argentino por trás da invenção da origem cigana de Sidney Magal. Mas a música é absolutamente maravilhosa, ouço desde pequeno num disco que era de uma das minhas irmãs de coletânea de sucessos. Ficava chocado com a descrição do look: “Eu vou vestir meu camisão estampado / a calça jeans de boca apertada / uma sandália de salto fino / e no cinto uma bolsinha amarrada”. Se eu fosse estilista, fazia uma coleção inspirada nessa música.

#11: Marrom Glacê (1979) - Ronaldo Resedá

O Kid Discoteca: o bailarino carioca era também ator e, em 1976, se lançou como cantor em um espetáculo no lendário Teatro Opinião, do Rio. Depois de participar de algumas trilha sonoras gravou um disco, no qual essa música aparecia (e que trazia Ronaldo de smoking branco já na capa). O power trio Guto Graça Mello, Mariozinho Rocha e Renato Correa compuseram Marrom Glacê, que também virou tema de novela.

#12: Dance With Me (1979) - Gretchen

Aí vem ela, dançando com o Zacarias: antes de Freak Le Boom Boom, do Melô do Piripipi e de Conga Conga Conga, Grechen surgiu com Dance With Me. Foi um estouro. Ela era sexy mas agradava crianças, não tinha voz mas tinha carisma e um corpão. Resultado: virou uma das celebridades mais célebres do Brasil. Talvez a mais famosa de toda essa lista de músicas. Talvez mais que Rita Lee - é possível que algum brasileiro saiba quem é Gretchen e não saiba quem é Rita Lee, não é? Escolhi essa música porque no fim ficou a menos conhecida, mas as outras são igualmente incríveis.

#13: Dancing Days (1978) - Frenéticas

Clássicos são clássicos: Leiloca (hoje astróloga dos famosos), Sandra Pêra (a atriz irmã de Marília), Dhu Moraes (até hoje atriz da Globo, antes foi do musical Hair, depois trabalhou muito com Chico Anysio e foi a Tia Nastácia da versão de 2001 de Sítio do Picapau Amarelo), Lidoka (que virou empresária), Regina Chaves (foi casada com Chico Anysio e também trabalhou bastante com ele) e Edyr de Castro (então mulher de Zé Rodrix, também foi do Hair e também era atriz) eram as Frenéticas, maior símbolo da disco music brasileira. Sandra é a chave de tudo - ela que chamou a maioria das integrantes para trabalhar na boate Frenetic Dancing Days por meio do seu então cunhado Nelson Motta. Surgiam as Frenéticas, que eram garçonetes e num certo momento da noite subiam no palco para cantar - o nome vem da boate! Pois é, chora Johnny Rockets. Esse maior hit delas continua sendo música obrigatória em ocasiões tipo festa de formatura, aniversário de quinze anos, festa de casamento…

#14: Não Existe Pecado Ao Sul do Equador (1978) - Ney Matogrosso

Ney Matogrosso transforma a música de Chico Buarque composta em 1973 para o musical Calabar: o Elogio da Traição em uma disco music deliciosa. A peça foi proibida pelo regime militar e só seria liberada 7 anos mais tarde. Mas Chico já tinha gravado a canção no seu álbum de 1973, Chico Canta, que foi megacensurado. Essa versão de Ney, que acabou virando uma versão definitiva, entrou na trilha da novela Pecado Rasgado. O título vem de um trecho da música que surgiu por causa da censura: o verso "Vamos fazer um pecado safado debaixo do meu cobertor” virou “Vamos fazer um pecado rasgado, suado, a todo vapor".

#15: Sublime (2018) - Gal Costa

Diva é diva: Gal Costa voltou à disco em pleno 2018. Ela já tinha dado umas misturas de disco music com outras coisas nos seus hits mais dançantes entre o fim dos anos 1970 e começo dos 1980 (será que Balancê é uma marchinha disco?), mas Sublime, que chegou nela como um samba, foi transformado em disco total. E virou uma das minhas músicas preferidas da Gal - o que não é pouco, existem muitas! Hehehehe

Dance como Sônia Braga!

Dance como Sônia Braga!